Toro Radar’s Articles at Defenda Seu Dinheiro
<h1>Archives</h1>
    Convidados

    [BITFRAUDE BREAKINGNEWS] Justiça brasileira bloqueia R$ 300 milhões de envolvidos em esquema de pirâmide Minerworld

    11 de maio de 2018

    Twitter tenta resolver fraude com moedas virtuais

    Não existe café grátis no mercado, mas milhares de incautos gananciosos ainda pensam que existe, desta forma após a deflagração de Operação Lucro Fácil no mês passado, agora o juiz David Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, mandou bloquear R$ 300 milhões em bens de 11 pessoas envolvidas em um suposto esquema de pirâmide financeira usando bitcoins, operado pela empresa Minerworld.

    Bitcoin é fraude, criptomoeda é fraude puracriptomoedas Minerworld. Este caso já teria impactado mais de 50 mil pessoas em todo o país”>

    Segundo o jornal Correio do Estado, a suspeita é de que os investigados atuassem como laranjas, por meio da abertura de contas, aquisição de imóveis e veículos. Em abril, a Justiça já havia bloqueado quantias semelhantes das empresas Bit Pago e Bit Ofertas, além da própria Minerworld, assim como de outras sete pessoas, incluindo Cícero Saad, considerado um dos chefes da organização.

    “[Os suspeitos teriam participado] fosse atuando como fiadores, fosse atuando como sócios de fato (laranjas) da Minerworld, fosse atuando como sócio formal da empresa Bit Pago, fosse atuando como mentores do negócio, ou fosse organizando redes significativas de participantes no alegado esquema de pirâmide que deram um impulso ao projeto lesivo ao consumidor, auferindo, com isto, grandes lucros por estarem no topo da pirâmide de investidores”, diz o texto da decisão.

    O bloqueio se dá diante da hipótese de que os prejuízos causados aos consumidores, que passam de 50 mil pessoas, dificilmente serão ressarcidos caso não haja rápidas medidas de indisponibilidade de bens dos envolvidos.

    A Minerworld é acusada desde o ano passado de dar calotes em seus clientes. Em outubro, a companhia alegou hackers roubaram 851 bitcoins após uma suposta invasão à exchange Poloniex, em que a empresa depositava os bitcoins de seus usuários. Não houve, porém, nenhuma prova deste caso apresentado pela companhia.
    fonte de consulta: infomoney.com.br/mercados/bitcoin/noticia/7414750/justica-brasileira-bloqueia-300-milhoes-envolvidos-esquema-piramide-com-criptomoedas

    Veja também:

    Kenneth Rogoff: Bitcoin tem mais chance de cair para US$ 100 do que disparar para US$ 100 mil

    Até mais.

    Convidados

    IRPF: Como declarar o Imposto de Renda 2018 morando no exterior

    17 de abril de 2018

    Dicas para fazer o imposto de renda 2018 (ano-base 2017)

    homem no computador - Quem se mudou para o exterior em 2017 deve entregar a Declaração Definitiva de Saída do País, formulário semelhante à Declaração de Ajuste Anual
    Imposto de Renda no exterior: Quem mora fora, mas tem rendimentos aqui, deve acertar as contas com o Leão.

    Se alguém acha que a Receita Federal se esquecerá de você por morar longe, está muito enganado. Tanto quem deixou o país em 2017, quanto quem passou a morar no exterior em anos anteriores, porém continua recebendo rendimentos no Brasil, deve acertar as contas com o Leão.

    Os brasileiros que durante o ano de 2017 passaram à condição de não residentes no país não são obrigados a enviar a Declaração de Ajuste Anual à Receita, mas devem entregar a Declaração de Saída Definitiva do País.

    A Receita Federal considera que o brasileiro é não residente a partir do dia em que ele deixa o país com a intenção de permanecer no exterior por mais de 12 meses. Ou, caso ele se ausente do Brasil, mesmo em caráter temporário, mas complete 12 meses consecutivos de ausência.

    A Declaração de Saída é muito parecida com a Declaração de Ajuste Anual. Ambas devem ser entregues até o dia 30 de abril, possuem as mesmas penalizações em caso de atraso (multa de 1% ao mês ou fração de atraso sobre o Imposto de Renda devido, sendo que o valor mínimo é de 165,74 reais e o valor máximo é de 20% do imposto devido) e o preenchimento das fichas é praticamente igual.

    A diferença é que, na Declaração de Ajuste, o contribuinte declara todos os rendimentos de 1º de janeiro a 1º de dezembro do ano-calendário de referência, enquanto na Declaração de Saída ele declara apenas os rendimentos entre 1º de janeiro e o dia da saída do país, uu seja, nos campos de preenchimento, em vez de aparecer a frase “Situação em 31/12”, o programa mostrará no mesmo campo a frase “Situação na data de saída”.

    Também é preciso informar na Declaração de Saída quem será o procurador que ficará responsável pelas remessas de valores recebidos no Brasil ao residente no exterior. Ele pode ser um familiar, amigo, advogado ou qualquer pessoa física habilitada a representar o não residente que não tenha restrições legais para isso.

    A Declaração de Saída fica dentro do programa gerador da Declaração do lmposto de Renda. Após baixar o programa no site da Receita, basta clicar em “Criar Nova Declaração” e selecionar a opção “Declaração de Saída Definitiva do País” no quadro que surgirá na tela com os tipos de declaração.

    Além da Declaração de Saída, a segunda obrigação fiscal de quem deixa o país é a entrega da “Comunicação de Saída Definitiva do País”, também disponível para download no site da Receita. O documento deve ser apresentado entre a data de saída do país e o último dia de fevereiro do ano seguinte.

    Já quem saiu do país em caráter temporário, mas completou mais de 12 meses fora, deve entregar a Comunicação de Saída a partir da data de caracterização da condição de não residente (depois de 12 meses) ou até o último dia do mês de fevereiro do ano-calendário seguinte ao da saída.

    A apresentação da Comunicação de Saída não dispensa a apresentação da Declaração de Saída e vice-versa. Ao deixar de entregar ambos ou um dos dois documentos, tanto os rendimentos provenientes de fontes situadas no Brasil quanto aqueles provenientes do exterior serão tributados como se a pessoa fosse residente no Brasil.

    Nesse caso, o contribuinte pode pagar imposto duas vezes, já que deverá pagar IR como residente no Brasil, além de estar sujeito à tributação do país estrangeiro.

    Por fim, além de apresentar a Comunicação e a Declaração de Saída Definitiva do País, quem se muda para o exterior deve comunicar que passará à condição de não residente, por escrito, a todas as suas fontes pagadoras.

    Essa comunicação deve ser feita para que qualquer rendimento que a pessoa tenha no Brasil seja tributado na fonte a partir de um código especial para não residentes e deixe de ser sujeito à tributação válida para residentes. Caso as fontes não sejam informadas, o contribuinte pode receber uma notificação da Receita e enfrentar um processo burocrático para regularizar sua situação.

    Está fora, mas recebe aqui

    Os brasileiros que moram no exterior e já estão dispensados de entregar a Declaração de Ajuste Anual continuam sujeitos ao pagamento do Imposto de Renda quando recebem rendimentos de fontes situadas no Brasil.

    As alíquotas variam de 15% a 25% e a tributação é definitiva, isto é, ocorre exclusivamente na fonte e os rendimentos não se somam à renda tributável do contribuinte.

    A venda de bens e direitos situados no Brasil realizada por não residentes também sofre tributação definitiva, à alíquota de 15% sobre o ganho de capital, como ocorre com os residentes no Brasil, mas sem as isenções e reduções do imposto que se aplicam aos residentes.

    Já os rendimentos do trabalho, com ou sem vínculo empregatício, são tributados na fonte à alíquota de 25%. As tributações dos demais tipos de rendimentos podem ser consultadas no site da Receita Federal.

    Voltei. E agora?

    A Receita volta a considerar como residente o brasileiro que retorna ao país e permanece aqui por mais de 184 dias, consecutivos ou não, dentro de um período de 12 meses.

    Se o brasileiro considerado não residente ficar um semestre aqui e os outros seis meses no exterior, ele manterá seu status de não-residente, permanecendo desobrigado de apresentar a declaração.

    No momento em que a pessoa física retorna ao Brasil em caráter definitivo, não é preciso apresentar qualquer declaração à Receita Federal. As informações à Receita só voltam a ser declaradas na próxima Declaração de Ajuste Anual.

    Os bens que o contribuinte possuía voltam então a ser declarados pelo mesmo valor informado no último formulário entregue.

    Se durante o período no exterior a pessoa física tiver comprado imóveis ou ações brasileiras, ela deverá informá-los pela primeira vez na sua Declaração de Ajuste Anual, informando os custos de aquisição do ano em que os bens passaram a fazer parte do seu patrimônio.
    fonte de consulta: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/como-declarar-o-imposto-de-renda-2018-morando-no-exterior

    Leia também:

    Como calcular o imposto de renda na bolsa de valores

    Até o próximo post.

    Convidados

    Como saber quanto vale um Bitcoin?

    16 de março de 2018

    quanto-vale-um-bitcoin

    Nos últimos tempos, os olhos do mercado se voltaram para o mercado de Bitcoins. Grande parte da sua popularidade se deve à valorização que a moeda virtual apresentou desde seu surgimento. No começo de tudo, um Bitcoin valia apenas alguns centavos de dólar. Com o passar do tempo, seu valor oscilou muito e uma moeda chegou a valer quase 20 mil dólares.

    O crescimento exponencial dos Bitcoins chamou a atenção do mercado. Por isso, muitas pessoas estão se interessando em conhecer um pouco melhor seu funcionamento. Com tantas oscilações, como saber quanto vale um Bitcoin? É o que você vai descobrir logo mais.

    Oscilações do mercado

    Como você provavelmente já sabe, a moeda virtual não é muito estável. Em apenas uma dia, a cotação do Bitcoin pode oscilar muito. Isso acontece devido à especulação do mercado, avanços em sua tecnologia ou escândalos envolvendo a moeda.

    Se você realmente se interessa pelo mercado de Bitcoins, precisará acompanhar a cotação todos os dias. Especialistas afirmam que a criptomoeda pode oscilar até 20% em um intervalo de 24 horas. Isso significa que de um dia para o outro, a diferença da cotação pode ser de milhares de reais para cima ou para baixo. E isso significa que um movimento perdido pode custar caro demais.

    O valor de um Bitcoin

    Investimentos tradicionais do mercado financeiro possuem gráficos que ajudam o investidor a acompanhar as oscilações, com Bitcoins não é diferente. Existem plataformas gráficas que auxiliam investidores e profissionais a acompanhar o preço da moeda, avaliar o histórico de altas e quedas e tentar identificar um padrão de comportamento.

    Profissionais do mercado realizam uma análise observando os gráficos buscando indicadores padrões para desenhar cenários em que a cotação do ativo é estatisticamente possível. Essa avaliação é chamada de análise gráfica ou técnica.

    Esse tipo de observação é muito comum na Bolsa de Valores, mas não é algo simples de ser feito. É preciso dominar os métodos de análise e é nesse momento que a experiência faz toda a diferença. Você também pode aprender a identificar padrões e analisar os gráficos, mas isso não acontece de um dia para o outro. É preciso se dedicar bastante até conseguir desenvolver essa habilidade.

    Ainda assim, por ser um mercado ainda muito novo e com oscilações exponenciais, a análise técnica pode não funcionar com a mesma eficácia em ativos como os Bitcoins.

    Se você quiser apenas consultar quanto vale um Bitcoin em real, você pode acessar um gráfico ou conversor online, existem vários do tipo pela internet. Inserir quantos Bitcoins você pretende converter em reais, ou vice-versa, e o conversor te entregará a conta pronta.

    Busque aprendizado sempre

    Bitcoins ganharam muitos admiradores e também muitos detratores. Para decidir se você deve ou não comprar a moeda, o segredo está em estudar este mercado a fundo. Muitos investidores empolgados com os ganhos passados enxergam nos Bitcoins uma grande possibilidade de enriquecer.

    Contudo, é preciso ter cuidado. A criptomoeda já se valorizou muito e ninguém pode garantir seu destino daqui para frente. Lembre-se sempre: rentabilidade passada não garante rentabilidade futura. Não é porque os Bitcoins cresceram tanto no passado que é certo que eles vão continuar seguindo o mesmo ritmo.

    Sempre tome muito cuidado com todas as informações que você recebe. Sempre filtre-as com sabedoria. Se depois de estudar o mercado de Bitcoins, seu sistema, as formas de compra e qual a segurança ele pode oferecer, você achar que vale a pena entrar nesse mercado, vá em frente. Só não siga a onda e coloque seu dinheiro onde você não conhece. Defenda sempre o seu dinheiro.

    Convidados

    Nouriel Roubini: O bitcoin e outras criptomoedas representam a mãe de todas as bolhas

    7 de fevereiro de 2018

    Em artigo, Roubini faz duras críticas ao bitcoin, dizendo que a ideia de uma oferta limitada de moedas é uma mentira, chamando ainda os ICOs de golpe

    Os serviços financeiros estão passando por uma grande revolução. Mas engana-se quem acha que a liderança deste movimento está com o blockchain ou o bitcoin. A revolução está sendo construída pela inteligência artificial, big data e a internet de coisas. Essa é a visão de Nouriel Roubini, economista que previu a crise de 2008 e conhecido como “Dr. Doom” por suas projeções apocalípticas.
    Em um artigo publicado na plataforma Project Syndicate, o economista defende que o único uso real das moedas digitais é “facilitar atividades ilegais, como tráfico de drogas, evasão fiscal, fuga ao controle de capitais e lavagem de dinheiro”.

    “Claramente, o bitcoin e outras criptomoedas representam a mãe de todas as bolhas, o que explica por que todos os seres humanos com quem estive entre o Dia de Ação de Graças e o Natal de 2017 me perguntaram se deveriam comprá-las”, diz Roubini no texto.

    O economista afirma ainda que, como em qualquer bolha financeira, os investidores não estão apostando no bitcoin de olho em seu potencial para ser usado como meio de pagamento, mas sim porque esperam que ele se valorize. “Aliás, se alguém quisesse mesmo usar bitcoins, teria muitas dificuldades”, continua.

    Roubini faz duras críticas ao bitcoin, dizendo que a ideia de uma oferta limitada de moedas é uma mentira, e ainda chamou de golpe os ICOs (Ofertas Iniciais de Moedas, na sigla em inglês). Para ele, as criptomoedas não passam de um grande esquema de pirâmide financeira.

    “De acordo com os entusiastas, o Bitcoin tem uma oferta máxima de 21 milhões de unidades, por isso não pode ser degradada como moedas fiduciárias. Mas essa afirmação é claramente uma fraude, considerando que ela já se dividiu em três filiais: Bitcoin Cash, Litecoin, e Bitcoin Gold”, escreve o economista.

    “Além disso, centenas de outras criptomoedas são inventadas todos os dias, ao lado de golpes conhecidos como ‘ofertas iniciais de moedas’, que são principalmente projetadas para escapar das regras de valores mobiliários”, completa o “Dr. Doom”.

    Leia também:

    [BIT FRAUDE BREAKINGNEWS] Novas fraudes e proibições afetam mercado de criptomoedas

    Até mais.

    Convidados

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    5 de janeiro de 2018

    Conheça os melhores investimentos financeiros para 2018

    Com a chegada do novo ano, muitos investidores buscam pelas melhores aplicações financeiras que poderão proporcionar boa rentabilidade e excelentes retornos.

    Para ajudar você, caro leitor, reunimos neste texto os melhores investimentos 2018 e esperamos que conquiste resultados ainda maiores que os obtidos no ano anterior.

    Investimentos na Renda Variável

    Como é de se esperar, a Bolsa de Valores tem grande potencial para continuar sendo a opção mais atrativa para 2018. Muitos analistas acreditam que os investidores, com diferentes perfis e objetivos, conseguirão usufruir das excelentes oportunidades no mercado de renda variável.

    Mesmo o perfil mais conservador quanto o perfil extremamente arrojado, poderão encontrar grandes oportunidades na Bolsa. Por isso mesmo, para identificar o melhor investimento para você, é preciso conhecer seu perfil.

    É possível encontrar algumas especulações do mercado de ações com chamadas sensacionalistas, fazendo com que os investidores iniciantes se encantem com os resultados e cenários irreais.

    Portanto, dê preferência para as análises estruturadas e as estratégias sólidas. Desta forma, ficará mais fácil identificar as melhores opções de investimento de 2018 devido à visão clara sobre este mercado.

    Investimentos na Renda Fixa

    Outra aposta para 2018 são as aplicações em Renda Fixa. A grande maioria desses papéis estão atrelados a três indicadores: à Selic, ao CDI e à inflação.

    • Taxa Selic: após os cortes da taxa de juros básica da economia brasileira, muitos investimentos tiveram alteração significativa em seus rendimentos.
    • CDI: como esta taxa também acompanha a movimentação da Selic, então também teve uma redução na rentabilidade.
    • Inflação: em 2017, ocorreu um melhor controle da inflação se comparado ao ano anterior.

    Muitos títulos que utilizam algum desses indicadores tiveram a rentabilidade geral menor do que em períodos anteriores. Porém, mesmo que estejam entregam resultado abaixo do passado, eles continuam apresentando um bom desempenho.

    Em 2018, o títulos que merecem maior atenção são os do Tesouro Direto. Esta é uma aplicação financeira bastante conhecida devido à sua alta liquidez e segurança.

    Existem 3 tipos de títulos: Tesouro IPCA, que acompanha os movimentos do indicador IPCA, Tesouro Selic, que acompanha a rentabilidade da taxa Selic, e o Tesouro Prefixado, que nos últimos entregou retornos bem interessantes.

    Além do Tesouro Direto, você pode ficar atento com os outros títulos de Renda Fixa:

    • CDB
    • LCI
    • LCA
    • Letras de Câmbio

    Investimentos no exterior

    Em 2017, a Bolsa de Valores norte-americana apresentou tendência de alta para investimentos a longo prazo. O principal índice do mercado de capitais dos EUA, o S&P 500, teve um grande desempenho, marcando topos históricos e demonstrando que este movimento pode se manter.

    Também existe uma grande chance de aparecer boas oportunidades em 2018 que envolvam o dólar e outros índices norte-americanos.

    O que demanda atenção é a elevação da taxa de juros dos EUA. No curto prazo, esse movimento gera um fluxo de saída de capital estrangeiro do nosso país, ocasionando uma pressão compradora no dólar e, consequentemente, sua alta.

    Agora que você conheceu algumas possibilidades de investimentos 2018, não deixe de verificar qual título se encaixa melhor ao seu perfil e objetivos. Aproveite também para entender melhor cada uma das opções de investimentos e como funciona o mercado financeiro para tirar o melhor proveito dele neste novo ano.

    Convidados

    Taxa Selic pode ser reduzida para 7% ao ano

    5 de dezembro de 2017

    Happy businesswoman holding piggy bank against white background

    Na próxima quarta-feira, dia 06 de dezembro, será realizada a última reunião de 2017 do Copom (Comitê de Política Monetária). A expectativa do mercado é que a Taxa Selic tenha uma redução em 0,5 ponto percentual, marcando um novo piso histórico.

    Atualmente, a taxa básica de juros da economia está valendo 7,50%. Mas, se for confirmada a redução, ela vai passar para 7,0%.

    A Taxa Selic interfere diretamente nos rendimentos da poupança. Para entender melhor sobre sua rentabilidade, é preciso conhecer a regra utilizada para o cálculo:

    • 0,5% ao mês mais Taxa Referencial – caso a Taxa Selic seja superior a 8,5%.
    • ​70% da Taxa Selic mais Taxa Referencial – caso a meta da taxa seja igual ou menor que 8,5%.

    Com a queda da Selic, a poupança não oferece boa rentabilidade e isso faz com que o dinheiro perca potencial de compra. De certo modo, é como se o dinheiro estivesse perdendo valor em vez de se valorizar enquanto está aplicado.

    Por isso, muitos investidores têm buscado novos caminhos para investir dinheiro. Algumas das alternativas são os investimentos de Renda Fixa. Essa categoria abrange aplicações podem ser emitidas por instituições financeiras, como empresas de financiamento, bancos ou até mesmo o governo.

    Quando o investidor aplica dinheiro em Renda Fixa, seria como emprestar dinheiro para essas instituições, que por sua vez utilizam o dinheiro para financiar suas atividades. Em troca, na data combinada, o investidor recebe de volta o valor investido, acrescido dos juros.

    Investir em Renda Fixa além de muito fácil , também conta com a mesma segurança da poupança: o Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Isto é, supondo que o banco que emitiu o título quebre, o investidor tem a garantia de receber seu dinheiro de volta, respeitando o limite de R$250 mil por CPF e por instituição financeira.

    Por oferecer grande diversidade, o investidor pode escolher entre os títulos disponíveis aqueles que tenham mais a ver com seu perfil e objetivos. Além disso, pode combinar várias modalidades em sua carteira de investimentos com o objetivo de aumentar a segurança e as chances de sucesso.

    Conheça agora alguns dos títulos de Renda Fixa mais populares entres os brasileiros que estão à procura de novas possibilidades de investimento:

    CDB

    A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário e se refere a aplicações emitidas por bancos para captar recursos a fim de, entre outras coisas, melhorar suas estruturas e conceder empréstimos para seus clientes.

    Este investimento é protegido pelo FGC. Além disso, existem 3 tipos de títulos: prefixado, pós-fixado e híbridos.

    • Prefixado: nestes títulos, o valor a ser resgatado ao final do investimento é estabelecido no momento da compra.
    • Pós-Fixado: este tipo de título possui sua remuneração atrelada a um indexador da economia, que em muitos casos é o CDI.
    • Híbrido: estes títulos possuem um percentual fixo somado à variação de um indexador econômico.

    Tesouro Direto

    O Tesouro Direto é uma aplicação financeira de Renda Fixa bastante conhecida devido à sua alta liquidez e segurança. Isto quer dizer que, se preciso for, é possível resgatar o dinheiro aplicado a qualquer momento.

    Além disso, este título é bastante acessível pois aceita investimentos a partir de R$30. No entanto, é preciso ficar atento pois não são todos os títulos que podem ser adquiridos por este valor.

    LCI e LCA

    A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são investimentos em Renda Fixa isentos de Imposto de Renda e protegidos pelo FGC. A rentabilidade de uma Letra de Crédito possui características muito parecidas com o CDB, podendo ser prefixada, pós-fixada ou híbrida.

    Essas são apenas algumas opções possíveis para quem deseja fugir da poupança e ter melhores resultados. Existe uma variedade de investimentos com rendimentos mais interessantes que a caderneta, basta pesquisar e buscar aqueles que melhor se encaixam ao perfil e objetivos do investidor.

    Portanto, antes de começar os investimentos, é fundamental que se entenda sobre as opções disponíveis no mercado para poder fazer escolhas mais acertadas.

    Convidados

    Qual a diferença entre LCI e LCA?

    13 de novembro de 2017

    As duas siglas LCI e LCA estão muito presentes no mundo dos investimentos e provavelmente você já ouviu falar delas. Além de todas as vantagens, elas são muito conhecidas por serem isentas de uma tributação que está sempre no radar dos investidores: o Imposto de Renda.

    Quando se fala em renda fixa, as LCIs LCAs muitas vezes aparecem juntas. Mas, você sabe o que elas significam? Sabe que tipo de investimento é esse e como eles ajudam a movimentar a economia?

    Para te ajudar a sanar essas e outras dúvidas, leia esse post até o fim e entenda de uma vez por todas a diferença entre LCI e LCA.

    O que é LCI?

    A sigla LCI significa Letra de Crédito Imobiliário. Esta modalidade funciona de maneira muito semelhante a outros investimentos em renda fixa. É uma espécie de empréstimo que o investidor faz à instituição financeira e recebe de volta o valor corrigido depois de determinado período. Enquanto isso, a instituição pode oferecer financiamentos para o setor imobiliário.

    É possível dizer que a Letra de Crédito Imobiliário tem risco relativamente baixo. A instituição tem a responsabilidade de te ressarcir o dinheiro. Caso ela declare falência, você não fica na mão pois pode contar com a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O órgão garante investimentos de até R$250 mil por instituição e por CPF.

    Uma característica que faz brilhar os olhos dos investidores, é que as LCIs são isentas de Imposto de Renda. O benefício fiscal é cedido pelo governo com o intuito de incentivar os investimentos no setor que é tão importante para a economia do país. A vantagem da isenção não se limita às LCIs, pois também se estende às LCAs.

    Investimentos em LCA

    As Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) são investimentos muito semelhantes às LCIs que também não sofrem dedução de IR. A diferença entre as duas é que os recursos das LCAs são utilizados para financiar atividades relacionadas ao agronegócio, como a produção agrícola, compra de máquinas e insumos.

    Da mesma forma que as LCIs, o investidor empresta dinheiro a uma instituição a financeira, pública ou privada, por determinado período e depois o recebe de volta acrescido de juros. Enquanto estiver investido, esse dinheiro poderá ser usado para oferecer financiamentos e crédito nas compras a prazo de produtos rurais.

    Dessa forma, investir nas Letras de Crédito do Agronegócio traz benefícios em vários âmbitos. O produtor consegue realizar suas atividades, as instituições lucram com as transações e o investidor recebe uma remuneração sobre seu capital.

    As LCAs, assim como as LCIs, também são asseguradas pelo FGC, o que contribui para a segurança do investimento.

    A grande diferença entre os dois tipos de Letra de Crédito está basicamente no setor que elas ajudam a financiar: agronegócio e setor imobiliário, ambos, muito importantes para a economia do país.

    O fator que vai te ajudar a decidir entre elas, tem a ver com o rendimento que o investimento vai te proporcionar, ou seja, quanto você vai ganhar ao final do período da aplicação.

    Mesmo com a grande vantagem de serem isentas de Imposto de Renda, antes de fazer qualquer investimento, seja em LCI ou LCA, é importante que avaliar as taxas oferecidas e as oportunidades disponíveis no mercado. Pode ser que você encontre outros tipos de investimentos que, mesmo sendo tributados, podem oferecer rentabilidades bem mais atraentes.

    Por isso, é sempre bom pesquisar bastante e colocar as contas na ponta do lápis. Dessa forma, você poderá fazer investimentos inteligentes que te ajudarão a potencializar seus rendimentos.

    qual-a-diferenca-entre-lci-e-lca

    Convidados

    5 motivos para tirar o seu dinheiro da poupança

    19 de outubro de 2017

    Vela a pena conferir 5 motivos para tirar o seu dinheiro da poupança e 5 aplicações financeiras que rendem mais, pois o tradicional investimento do país já não é mais tão vantajoso como era até um passado não tão distante…

    5 motivos para tirar o seu dinheiro da poupança e 5 aplicações financeiras que rendem mais

    A poupança sempre foi o investimento mais tradicional da população brasileira. Sempre foi a forma mais utilizada pelos investidores conservadores para poupar dinheiro, concentrando a maior parte do patrimônio do país. Considerada um investimento seguro e de longo prazo, a caderneta de poupança já não rende mais como antes, e está fazendo com que muitos investidores migrem para aplicações alternativas.
    Com base nisto, Daniel Zamboni, assessor de investimentos na Br Investe, elencou cinco motivos de que é hora de tirar o seu dinheiro da poupança, apontando ainda cinco opções de investimentos que oferecem rentabilidades maiores.

    Veja a seguir:

    1) Inflação

    Segundo Zamboni, os ganhos na caderneta de poupança podem ser enganosos. “O que realmente importa na hora de aplicar é o ganho real, ou seja, a parcela da rentabilidade que ultrapassa a inflação, garantindo nosso poder de compra ao longo do tempo”. O assessor explica que nos últimos três anos, enquanto o ganho nominal da poupança está em 7,85% ao ano, o ganho real foi de apenas 0,77% a.a.

    2) Nova regra

    Com a queda da taxa Selic para patamares inferiores a 8,5% ao ano, Zamboni explica que entra em vigor a nova regra da poupança: o investimento passa agora a render 70% da taxa Selic + taxa Referencial (TR), contra 0,5% ao mês + TR calculado anteriormente. Em outras palavras, considerando a Selic atual, o rendimento caiu de 6,27% a.a. para 5,78% a.a., reduzindo a rentabilidade do poupador.

    3) Só rende no aniversário

    Com relação à carência, o assessor explica que, ao contrário de outras opções de investimento, a poupança não remunera diariamente, ou seja, para ter direito ao rendimento da poupança é preciso que o poupador espere a data exata dos depósitos nos meses seguintes. “Muitas pessoas não se atentam às datas de aniversário de seus depósitos na poupança, sendo que vários aplicadores nem sabem o que isso significa”, diz.

    Desta forma, se o investidor fizer uma aplicação no dia 10 de outubro, o rendimento ocorrerá somente no dia 10 de novembro, e se o resgate for feito no dia 9, o retorno será zero.

    4) Fundo Garantidor de Crédito (FGC)

    Criado para proteger o sistema financeiro contra possíveis problemas de insolvência, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) ressarce o capital dos investidores até o limite de R$ 250 mil por instituição e por CPF. Apesar da poupança contar com a segurança do FGC, Daniel afirma que há outras opções, como CDBs, LCIs, LCAs, LCs, que apresentam a mesma proteção, mas são “expressivamente mais rentáveis”.

    5) Rentabilidade

    O baixo retorno comparado a aplicações semelhantes é um dos principais motivos que levam os poupadores a migrarem para outros investimentos. Por mais que a diferença pareça pequena, em um primeiro momento, ao longo dos anos ela cresce exponencialmente. “Há um tempo atrás assessorei um casal que estava relutante em sair da poupança por julgar que a diferença no rendimento era pequena, mas após colocarmos tudo na ponta do lápis, o diferencial na rentabilidade era capaz de levá-los à Europa”, conta.

    Confira, abaixo, 5 aplicações alternativas à poupança que rendem mais:

    1) CDB (Certificado de Depósito Bancário)

    Coberto pelo FGC, os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) conseguem apresentar performance superior mesmo descontando o Imposto de Renda. Daniel explica que a aplicação possui liquidez diária ou só no vencimento, este último conta atualmente com opções de vencimento em 3 anos que pagam até 117% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

    2) LC (Letra de Câmbio)

    Também cobertas pelo FGC, as Letras de Câmbio (LCs) são cobertas pelo FGC e, assim como os CDBs, conseguem apresentar performance superior mesmo descontando o Imposto de Renda.

    3) LCI e LCA

    As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) são cobertas pelo FGC, possuem isenção de Imposto de Renda para pessoa física e 90 dias de carência por lei, ou seja, se você aplicar hoje precisa esperar 90 dias para resgatar o dinheiro. “São aplicações muito procuradas por pessoas que querem aplicar por até um ano, que nesse caso estão pagando até 95% do CDI, em contraste com os 70% da poupança”, diz.

    4) Tesouro Selic

    Garantido pelo próprio Tesouro Nacional sem limites de valor, o Tesouro Selic consegue apresentar performance superior, mesmo descontando o Imposto de Renda. Além disso, apresenta liquidez diária (D+1) e paga atualmente, 100% da Selic.

    5) Fundos Multimercados Conservadores

    Embora não possuam cobertura do FGV, costumam aplicar em ativos conservadores, como os títulos públicos. “Há uma diversidade muito grande no mercado, possibilitando adequação ao perfil de cada investidor no que se refere à rentabilidade e liquidez”, afirma Daniel.

    Até mais.

    Convidados

    5 atitudes para se tornar um investidor de sucesso

    27 de setembro de 2017

    Quem nunca ouviu falar de Bill Gates ou de Jorge Paulo Lemann provavelmente não vive neste planeta. Estes são dois nomes fortes no empreendedorismo e que até hoje inspiram pessoas mundo afora.

    Além de serem ótimos nos negócios, os dois empresários têm outra característica em comum: são investidores. Bill Gates costuma investir em novas empresas do ramo da tecnologia e também de cunho social. Lemann, por sua vez, é sócio de grandes empresas do ramo de alimentos e bebidas.

    Você pode estar imaginando que é difícil chegar ao patamar que eles chegaram. Mas saiba que, mesmo se não conseguir se tornar famoso em diversos países, você pode aprender muito com estes e vários outros investidores bem-sucedidos.

    Quer saber como valorizar ainda mais o capital que tem aplicado? Veja a seguir 5 atitudes importantes para se tornar um investidor de sucesso.

    1) Continue aprendendo

    Ninguém nasce sabendo. Mark Zuckerberg, por exemplo, não poderia imaginar que chegaria onde chegou. É claro que, para se tornar um dos homens mais ricos do mundo, ele traçou objetivos e se manteve focado até atingi-los.

    Mas para chegar lá ele precisou aprender bastante. Essa é a primeira dica: aprender e continuar aprendendo. A humildade de reconhecer que é possível absorver constantemente novas ideias e conceitos é essencial para ter sucesso nos investimentos.

    Além de entender como o mercado funciona, você precisa se manter informado sobre o que ocorre no Brasil e no mundo. Novidades podem surgir e você deve estar sempre a par do que está acontecendo.

     2) Seja disciplinado

    Quando falamos de investimentos, outra atitude fundamental é manter as emoções no lugar. É compreensível que perder dinheiro é uma situação ruim, mas é melhor abrir mão de algumas dezenas do que perder tudo de uma vez, concorda?

    Por isso, não faça nada por impulso. Pare, pense e defina uma estratégia de investimentos. Além do seu perfil e seus objetivos, essa estratégia também deve abranger métodos para proteger seu dinheiro.

    Dessa forma, caso algo não vá de acordo com as suas expectativas, esses métodos poderão minimizar as perdas. A disciplina, nesse caso, é prioridade. Afinal, você só conseguirá atingir a meta que delimitou se manter o foco e não fugir do plano traçado.

    3) Não abra mão da segurança

    Como falamos agora pouco, a segurança do seu capital deve ser levada à sério. Existem investimentos que oferecem riscos maiores, como é o caso da Bolsa de Valores. No entanto, quem já investe há um bom tempo neste mercado conhece boas técnicas para suavizar as possíveis perdas.

    Para evitar cair em armadilhas, a orientação é fazer bom uso de métodos e ferramentas, como o stop loss e o manejo de risco. Você vai ver que sua atitude será fundamental para decidir se sua perda será menor, ou seja, mais fácil de ser revertida, ou se seu capital irá reduzir drasticamente devido a uma irresponsabilidade.

    Outra dica importante sobre esse tópico: é muito importante aprender com os erros. Quando se é iniciante, principalmente, é compreensível falhar. O que não é positivo é cometer sempre os mesmo erros.

    Quando o assunto é segurança, enganar-se novamente pelo mesmo motivo pode custar caro para o seu bolso. Por isso, conheça a fundo cada investimento que for fazer e lance mão de boas estratégias para proteger seu dinheiro.

    4) Vá além da teoria

    Você não se torna um médico apenas lendo livros focados em tratamentos para diversas doenças. Nem abrirá uma oficina mecânica somente após ver vídeos online ensinando como trocar um pneu. A teoria é importante, mas só funcionará 100% aliada à prática.

    No universo dos investimentos, a ideia é a mesma. Você só se tornará um bom investidor se souber investir na prática. Sabe a máxima: “só se aprende fazendo”? Ela é bastante verdadeira.

    Como dissemos logo ali em cima, aprender a dinâmica do mercado é muito relevante. No entanto, esse conhecimento não será de muita utilidade se você não souber usá-lo a favor das suas finanças.

    Dominar a teoria é, de fato, um passo muito importante rumo a uma vida financeira mais saudável. Contudo, também é imprescindível colocar tudo que aprendeu e continua aprendendo em prática. Você só saberá onde e qual o melhor momento para investir se praticar e adquirir experiência.

    5) Não tenha vergonha de pedir ajuda

    Quando você está começando algo novo ou já tem certa experiência, mas surgiu uma dúvida, é importante saber a quem recorrer. Se você sente uma dor, procura logo um médico. Ou se seu computador para de funcionar, você logo chama a assistência técnica.

    Por que, então, não utilizar os conhecimentos de quem entende de investimentos quando precisa tomar uma decisão financeira importante? Não estamos dizendo que você deve depender de um profissional para dar cada passo, mas contar com o auxílio de uma pessoa qualificada em momentos decisivos pode fazer muita diferença.

    Por isso, não tenha vergonha de pedir ajuda a um especialista no mercado. E o mais importante: confie em quem sabe de fato o que está fazendo. Seguir as dicas de um primo ou amigo que não tem anos de experiência no mercado financeiro pode custar mais caro do que imagina.

    Já deu para perceber que não importa se você vai investir 100 mil reais ou 5 mil reais, não é? As atitudes que listamos neste artigo são comuns a bons investidores de diferentes perfis e bolsos.

    Portanto, reavalie como você tem investido até então e comece a aprimorar suas ações para se tornar também um investidor de sucesso.

    investidor-de-sucesso

    Convidados

    Meses mais baratos para viajar para oito destinos diferentes

    31 de agosto de 2017

    Destinos mais baratos no mundo conforme época do ano

    Tal pesquisa foi realizada pelo buscador de viagens Skyscanner com base nos destinos estrangeiros mais buscados pelos brasileiros.

    As melhores épocas para viajar para o exterior sempre variam de acordo com o país ou continente onde eles estão – e, normalmente, essas são também os períodos de “alta temporada”, em que os preços são mais altos.
    Uma pesquisa do buscador de viagens Skyscanner feita com base nos destinos mais buscados pelos turistas brasileiros apontou quais são os meses do ano em que as passagens aéreas são as mais baratas para países na Europa, América do Norte e América do Sul.

    No caso do continente europeu, por exemplo, a economia pode ser de até 18% de o brasileiro optar por viajar no mês mais barato. Foram considerados três destinos dentro do continente: Lisboa, Londres e Madri, cujas passagens, no mês de novembro, ficam 18%, 13% e 11% mais baratas do que em comparação ao resto do ano. O mês mais caro é julho, quando o continente enfrenta o verão e maior alta de turistas.

    A época mais barata para conhecer os Estados Unidos é agosto, auge do verão no país, quando as passagens para as cidades de Orlando e Miami chegam a ficar até 16% mais baratas. Além de agosto, também têm tarifas menores os meses de setembro e outubro, quando os preços caem até 15%. O mês de dezembro, quando o país enfrenta seu rigoroso inverno, é o mais caro para visita-lo.

    Já no caso da América do Sul, os destinos considerados foram Buenos Aires, na Argentina, e Santiago do Chile. Para estes, os períodos mais econômicos para viajar é em outubro e novembro, quando os preços ficam 16% e 15% mais baratos, respectivamente.

    A tabela a seguir mostra os destinos e seus respectivos meses mais econômicos:

    Destino Mês mais barato Economia
    Buenos Aires, Argentina Novembro 16%
    Lisboa, Portugal Novembro 15%
    Londres, Reino Unido Novembro 13%
    Madri, Espanha Novembro 11%
    Miami, Estados Unidos Agosto 15%
    Nova York, Estados Unidos Outubro 15%
    Orlando, Estados Unidos Agosto 15%
    Santiago, Chile Outubro 15%

    Destinos mais baratos no mundo para viajar em 2017

    Até o próximo post.