Vil Bro’s Articles at Defenda Seu Dinheiro, Page 2
<h1>Archives</h1>
    Geral

    Business Insider: 6 gastos que você não deve cortar

    25 de junho de 2018

    6 gastos que você não deve cortar, segundo especialista em finanças
    6 things people who are good with money always splurge on

    Claro que parar de gastar em excesso é o primeiro passo para conquistar a estabilidade e a independência financeira, porém como se faz para calcular o excesso?
    Uma especialista em gestão financeira e estudiosa de cases relacionados a boas práticas em finanças pessoais, Kimberly Palmer, explicou isto no portal de finanças Business Insider. Após estudar o hábito de pessoas bem-sucedidas financeiramente, a especialista listou 6 produtos e serviços que devem ser mantidos no orçamento mensal – ou, ao menos, não devem ser os primeiros a sair em momentos de aperto.

    Veja a lista a seguir:

    1. Produtos que podem gerar mais renda
    2. Esta é uma gama relativamente ampla de produtos, que inclui, por exemplo, um conjunto de peças de roupas arrumado para entrevistas de emprego ou primeiro dia após a contratação. Dependendo da profissão, um carro funciona da mesma maneira.
      Um bom computador também faz parte desta lista: ganhar dinheiro extra pela internet nunca foi tão comum, e ter uma máquina velha e inoperante pode travar essa possibilidade.

    3. Experiências
    4. Yoga, treinamento funcional e outras atividades que oferecem saúde e energia não devem ser negligenciadas nos gastos mensais.

    5. Serviços que economizam tempo
    6. Muitas vezes, ter tempo para realizar tarefas é mais importante do que economizar dinheiro. Pedir delivery de supermercado, por exemplo, ou mandar as roupas para a lavanderia, pode economizar horas valiosas do dia de um profissional autônomo – ou mesmo de alguém cuja rotina demanda descanso. “A melhor coisa que você pode fazer com dinheiro é liberar tempo”, diz a especialista.

    7. Cartões com programas de fidelidade
    8. Mesmo com altas taxas de manutenção, cartões de crédito com bons programas de fidelidade e milhas podem ser interessantes para clientes fiéis que realmente utilizam estes benefícios. Não vale necessariamente para todos, mas a especialista indica àqueles que viajam muito ou gastam o suficiente para trocar pontos por bons produtos no fim do mês.

    9. Utensílios de cozinha de alta qualidade
    10. Comer em casa sempre será mais barato do que gastar em restaurantes. Por isso, Palmer acredita que gastar em bons jogos de panelas ou até mesmo uma máquina de café pode ser um investimento.

    11. Pequenos prazeres
    12. Desde que bem selecionados, gastos com objetos que dão prazer são importantes. Para quem ama fotografia, comprar uma boa câmera não é jogar dinheiro fora, por exemplo.

    Veja também:

    Hábitos financeiros aos 30 anos

    Até mais.

    Geral

    Como uma millenial pagou $68.600,00 de dívidas em 3 anos

    13 de junho de 2018

    Ela viveu um tempo sem nem lembrar que tinha uma dívida - e sofreu as consequências - Guen Garrido became debt free in March 2018 and celebrated by popping a large balloon filled with confetti
    Here’s how one millennial paid off $68,600 in just over 3 years

    Muitas pessoas já tiveram algum momento de muita dívida, no qual foi preciso tomar as rédeas da vida financeira para se reorganizar e não se afundar em dívidas. A jovem americana Guen Garrido passou por uma situação parecida, e conseguiu se superar. Ao ser entrevistada ao CNBC Make It, a jovem falou como quitou uma dívida de US$ 68.600, cerca de R$ 255 mil, em três anos e três meses.
    Depois de se formar em psicologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) em 2007, Guen Garrido tinha US$ 40 mil, cerca de R$ 148 mil, em dívidas estudantis. “Naquela época, era o que dava para fazer para conseguir terminar a faculdade“, explica.

    Ela considerou fazer uma faculdade menos reconhecida pelo preço, mas o fato de ter entrado na UCLA foi um grande passo, considerando que foi a primeira pessoa da minha família a ir para a faculdade. Então ela pensava: “Faça o que for preciso e quando tiver um emprego você paga a dívida”. Porém pagá-la não foi fácil quanto ela tinha imaginado.

    Ela era professora para crianças da pré-escola e ganhava apenas US$ 13 por hora, cerca de R$ 48, o que não era suficiente para pagar as contas. Então, deixou sua dívida em segundo plano. “Por um tempo, eu estava vivendo como se a minha dívida não estivesse lá. Parecia normal estar devendo muito dinheiro”, conta.

    E assim ela seguiu até 2013, quando alguns eventos da vida a fizeram enfrentar sua dívida. Depois de terminar um relacionamento de cinco anos, ela saiu do apartamento que dividia com o namorado e se viu “tendo que descobrir as coisas por conta própria”, diz. Mais tarde naquele mesmo ano, seu pai foi diagnosticado com câncer. “Essa notícia me derrubou. Foi quando percebi que não podia ajudar meu pai com o tratamento porque eu estava afundada em dívidas”, lamenta.

    Com o passar do tempo, aquela dívida da faculdade aumentou. Até o final de 2014, ela devia cerca de R$ 255 mil, graças a um financiamento de carro, alguns empréstimos pessoais e dívidas de cartão de crédito. Mas hoje ela estpa livre de dívidas.

    Como ela conseguiu a façanha?

    Buscou conhecimento

    A primeira coisa que a jovem fez foi começar a estudar sobre finanças pessoais com livros, podcasts, artigos e até vídeos no YouTube. Ela começou lendo um livro chamado “The Total Money Makeover” (Reformulação total do dinheiro), de Dave Ramsey, que a ajudou a elaborar seu plano para sair do vermelho. Mas seu recurso favorito era o YouTube. “Todo dia eu selecionava vídeos para ouvir discursos motivacionais sobre dinheiro ou qualquer coisa sobre investimentos, empréstimos e crédito”, diz. Começou a pagar a dívida no início de 2015.

    Durante os estudos ela aprendeu sobre o refinanciamento de empréstimos estudantis, uma estratégia que podia ajudá-la no momento. Ela refinanciou US$ 20 mil da sua dívida estudantil com uma empresa online de finanças pessoais especializada na modalidade, que permite diminuição de juros de uma dívida. Com isso, ela conseguiu reduzir a taxa de juros de 10% para 6%.

    Elaborou um plano

    Depois de ler o livro de Ramsey, a jovem passou a adotar o “método da bola de neve” para pagar tudo. Com essa estratégia, você prioriza seus menores débitos, independentemente da taxa de juros. Para Garrido, isso significava começar com US$ 50, cerca de R$ 180, que ela devia a loja de departamentos americana Target.

    A ideia é que ao pagar as contas mais baratas, você seja estimulado pela sensação de ver as dívidas desaparecerem. É como se estivesse rachando a bola de neve em pequenos pedaços para que aos poucos o impacto dela diminua, e isso vai ajudá-lo a ficar animado com o processo. E assim seguiu, depois de pagar as dívidas dos cartões de crédito, ela focou nos empréstimos pessoais e, finalmente, ela enfrentou sua maior dívida: o empréstimo estudantil pagando o quanto podia por mês.

    Ela definiu uma meta e acompanhou seu progresso

    Uma parte fundamental do plano de Garrido era estabelecer uma data final como meta para acabar com seus débitos. “Eu acho que muitas pessoas pensam que nunca serão livres de dívidas, então nem tentam sair. Mas depois que você define algumas metas para pagar, você começa a pensar: ‘Ok, eu posso fazer isso'”, explica.

    Para acompanhar seu progresso, ela criou uma planilha do Excel que não apenas permitia que ela registrasse suas receitas e despesas, mas também dizia como sua data prevista mudaria se aumentasse seus pagamentos de dívidas em um determinado valor a cada mês. “Isso me motivou a encontrar maneiras de vencer essa data”, acrescenta Garrido, que acabou pagando sua dívida nove meses antes do previsto.

    Ela acumulou uma renda extra

    Em 2015, Garrido já tinha deixado o trabalho como professora e começou uma nova fase em um emprego como analista de dados em uma universidade online e passou a ganhar mais que antes. Mas ainda não era uma renda suficiente, então ela começou a trabalhar com aplicativos de compartilhamento de caronas como o Uber.

    “Eu fiz isso praticamente cinco noites por semana. Depois que eu saía do trabalho, eu me dava um tempo para relaxar em casa e então pegava o carro e ia fazer algumas horas de Uber – inclusive cheguei a trabalhar nos fins de semana”, conta.

    Ela trabalhou com os apps de carona o ano de 2015 inteiro e conseguiu acumular US$ 10 mil na época, cerca de R$ 37 mil. Essa quantia foi direcionada quase completamente para a dívida. “Não tenha vergonha se você tiver que fazer um trabalho paralelo. Eu tive esse sentimento em um certo momento, mas valeu a pena”, comenta.

    Além disso, qualquer outra quantia que entrava em sua conta, ela usava para abater a dívida. “Eu não melhorei meu estilo de vida. Se eu tivesse um dinheiro para comprar algo de Natal, eu usava para pagar a dívida. E os impostos também – a restituição sempre ia direto para o que eu estava devendo”.

    Limitou seus gastos a US$ 300

    Além de gerar mais renda, Garrido diminuiu nos gastos. Ela começou diminuindo os preços em certos custos fixos. “Liguei para minha companhia de seguros de automóveis e negociei. Olhei para minha conta de telefone e descobri que estava em um plano antigo que custava mais do que o atual. Percebi que você precisa se atualizar sobre essas coisas e ver se há algo novo que possa lhe poupar dinheiro”, conta. Dessa maneira, ela foi reduzindo custos fixos onde viu que era possível.

    Em seguida, ela focou em reduzir as despesas do dia a dia. “Eu defini que só tinha US$ 300 por mês para fazer tudo tirando os custos fixos. Mercado, gás, sair para comer e entretenimento”, conta Garrido. Para garantir que ficasse dentro de seu orçamento, ela abriu uma conta bancária separada com apenas um cartão de débito e transferia US$ 300 para essa conta. Uma vez que ela passasse desse valor, ela não podia gastar mais até que seu próximo salário caísse.

    Enquanto Garrido estava gastando significativamente menos do que estava acostumada, não sentia que estava passando por dificuldades. Pelo contrário, via sua situação de gastar o limite que se impôs como quisesse. “Eu enxergava como espécie de dieta, que você poderia comer o que bem entendesse com uma certa quantidade de calorias”.

    Sua disciplina valeu a pena. Ao longo dos três anos e três meses, ela pagou uma média de US$ 1.800, cerca de R$ 6.600, por mês da dívida. Seu menor pagamento mensal foi de US$ 859, cerca de R$ 3.170, e o maior foi de US$ 3.418, cerca de R$ 12.600. “Esse valor mais alto foi no fim do ano, quando recebi um bônus da empresa. Usei o dinheiro e quase todo meu salário para pagar mais uma parte da dívida”, explica.

    A última parcela foi paga em março deste ano e, claro, ela fez questão de comemorar. Tirou o dia de folga do trabalho, fez uma massagem e depois comprou uma balão preto gigante e encheu de confete verde. Ela pintou a palavra “dívida” em prata e estourou o balão para festejar o fim desse ciclo difícil.

    Hoje, aos 32 anos, ela continua trabalhando como analista de dados e está oficialmente livre de dívidas, mas seus hábitos de consumo não mudaram muito. “Agora, eu me dou US $ 350 por salário para gastar”, diz ela.

    O dinheiro que era direcionado para sua dívida agora está focado em diferentes metas de poupança. Hoje, suas prioridades são: construir um fundo de emergência de US$ 10 mil e economizar para seu próximo casamento. Além disso, já pensa em metas de longo prazo, como comprar uma casa e economizar para a aposentadoria. “Mesmo que eu esteja livre da dívida, ainda há muito para se trabalhar”, diz Garrido.

    Leia também:

    5 coisas que você deve fazer se quiser sair rapidamente da dívida

    Até mais.

    Geral

    Warren Buffett: 3 qualidades que todo investidor deve ter

    12 de junho de 2018

    Warren Buffett in a dark suit.
    3 Qualities Warren Buffett Says All Great Investors Should Have

    Warren Buffett é considerado por muitos o maior investidor de todos os tempos. Ele costuma compartilhar uma série de ensinamentos e dicas aos acionistas em suas cartas anuais da Berkshire Hathaway, em que é o CEO.
    Apesar de afirmar não saber o quanto a pessoa “já nasce sabendo” ou aprende a ser um grande investidor, Buffet explica que não é preciso ser extremamente inteligente para ser um bom investidor, mas que bons investidores têm determinadas qualidades que contribuem para o seu bom desempenho no mercado. O The Motley Fool listou 3 dessas características a partir das cartas anuais do bilionário:

    Ser realista

    “Você precisa ser realista. Você precisa definir o seu ciclo de competência e entender que algumas coisas você não sabe e não deve ser seduzido a isso”, afirma Buffett.

    Em outras palavras, para ser um grande investidor é preciso saber no que você é bom e o que você realmente não sabe. É por isso que ele não investe em empresas de tecnologia, por exemplo, porque entende que não conhece a indústria o suficiente para tomar boas decisões de investimentos. Por outro lado, empresas de seguros, bancos e de utilities são empresas que ele domina, por isso são encontradas no portfólio da Berkshire.

    Sede por conhecimento

    Muitos investidores se surpreendem com o fato de que Buffett passa a maior parte da sua carga horária lendo. Conhecido por recomendar seus melhores livros de investimentos aos acionistas da Berkshire Hathaway, o Oráculo de Omaha tem uma extensa lista de obras, com preferência pelos autores Benjamin Graham, de “O Investidor Inteligente”, e Phillip Fisher, de “Common Stocks and Uncommon Profits”.

    “Eu acredito que os livros que li e que moldaram o que penso sobre negócios e investimentos continuam válidos hoje. Eu não vejo nada que possa ser melhorado de Graham ou Fisher em termos de abordagem básica de investimentos, ou seja, sobre como tratar de ações e negócios e tomar boas decisões de investimentos”, diz.

    Não seguir a maioria

    Buffett já repetiu este conselho diversas vezes. Em sua carta aos acionistas em 2008, por exemplo, escreveu: “Tome cuidado com as estratégias de investimento que geram aplausos; os melhores movimentos são geralmente aqueles recebidos por bocejos”.

    O que o CEO da Berkshire Hathaway quer dizer, é que escolher ações só porque a maioria está investindo ou então sair do investimento – essa é uma estratégia que só resulta em perdas e geralmente leva a um baixo desempenho do investidor no mercado ao longo do tempo. “Não é um processo complicado, mas com certeza requer disciplina”, diz. E completa: “Exige um isolamento de si mesmo da opinião popular”.

    Leia também:

    Segredos de dinheiro que pessoas ricas e bem sucedidas sabem

    Até mais.

    Filmes

    Filmes sobre a crise financeira de 2008

    8 de junho de 2018

    Não deixe de conferir também:

    Filmes obrigatórios para entender o mercado financeiro

    Para aquelas que são ligados ao mercado financeiro por profissão ou simplesmente por hobby ou interesse pelo mundos dos investimentos já assistiu algum filme que retrata a crise do subprime dos Estados Unidos que culminou no estouro da bolha imobiliária em 2008. Há uma infinidade de títulos com esse propósito e abaixo foram citados em uma lista algumas ficções e documentários para lhe ajudar a entender o que houve com a maior economia do mundo que acabou levando o mundo todo ao colapso naquela época:

    A grande aposta:

    Outro grande sucesso sobre a crise de 2008 mostra a trajetória de quatro homens que conseguiram antecipar a derrocada da economia dos Estados Unidos iniciada com o subprime. Um deles percebe a movimentação estranha e passa a apostar contra o sistema imobiliário norte-americano, gerando diversas complicações para sua carreira, uma vez que era uma manobra nunca antes bem-sucedida.
    O filme é inspirado em fatos reais e explicado como alguns investidores conseguiram prever a crise que estava por vir apostando através de derivativos contra ativos relacionados ao mercado imobiliário norte americanos. O que chama a atenção é que esses investidores não tinham nada em comum, não se conheciam, e cada um utilizou seus fundamentos para prever essa crise!

    The flaw

    O documentário tenta explicar os motivos que levaram à bolha imobiliária norte-americana que tomou proporções globais. Veja o trailer aqui.

    Trabalho interno

    O documentário conta, por meio de extensas entrevistas com políticos, economistas e jornalistas que cobriram a crise de 2008, as relações corruptas entre diversas partes da sociedade e como o mercado financeiro atuou enganando o “investidor comum”. Dirigido por Charles Ferguson e narrado por Matt Damon.

    Grande demais para quebrar

    Um dos filmes mais famosos sobre o tema, o longa é baseado no best-seller escrito por Andrew Ross Sorkin, e mostra uma olhar sobre Wall Street e Washington e como suas decisões impactaram na maior economia do mundo. O filme, dirigido pelo premiado Curtis Hanson, mistura histórias reais e fictícias para a contagem regressiva rumo ao colapso.
    Este filme é uma referência de como algumas práticas questionáveis do mercado financeiro, especialmente com questões éticas e de risco do mercado, causam consequências devastadoras.

    Wall Street – O dinheiro nunca dorme

    Um dos personagens principais, o corretor interpretado por Michael Douglas, volta à cena do mercado financeiro após uma longa temporada na prisão justamente por condutas fraudulentas no mundo dos investimentos. Ao encontrar um jovem que se mostra tão ambicioso quanto ele, e que já brilha em Wall Street, o corretor vê uma rota para voltar ao estrelato do mercado financeiro.

    Gordon Gekko no filme Wall Street - O dinheiro nunca dorme

    Os últimos dias do Lehman Brothers

    O longa metragem feito pela BBC mostra, como o próprio nome já sugere, os bastidores dos dias que antecederam a falência de um dos maiores bancos de investimentos dos Estados Unidos na época. Veja o trailer aqui.

    Margin Call – O dia antes do fim

    Uma empresa do setor financeiro, que faz alusão ao Lehman Brothers, demite 80% dos funcionários de um departamento e o chefe entrega um pendrive a um de seus ex-funcionários com um conteúdo no qual vinha trabalhando. O documento mostra que a companhia passou, há meses, do limite do risco que poderia correr e está prestes a falir. O dilema se forma: ir à derrocada sozinha ou esperar que outros membros do mercado caiam junto? Veja o trailer aqui.

    A grande virada

    Três executivos são demitidos no início da crise dos subprimes e precisam reinventar suas carreiras – e suas vidas. O longa se propõe ainda ser uma crítica ao estilo de vida extremamente consumista dos norte-americanos. Veja o trailer aqui.

    Collapse

    O documentário explora as polêmicas e conspiratórias teorias do escritor Michael Rupppert, entre elas, as razões pelas quais ele acredita que os Estados Unidos se tornaram o estopim de uma crise mundial.

    Até o próximo post.

    Geral

    CNBC: 5 sinais de que você não será um milionário

    6 de junho de 2018

    A meta de muitas pessoas é conseguir a independência financeira e se tornar um milionário, entretanto, será que você está no caminho certo para ficar rico? O seu comportamento não ajuda? Para ajudar as pessoas a descobrir, o CNBC reuniu alguns sinais de alerta a serem observados.
    fonte: 6 signs you won’t be a millionaire

    Sinais que você está rico, mesmo que não se sinta assim

    Para quem está cometendo rotineiramente esses erros, pode ser hora de fazer algumas mudanças

    A situação de cada um é diferente, mas se alguém está cometendo rotineiramente esses erros, pode ser hora de fazer algumas mudanças quando se trata de administrar seu dinheiro.
    Veja as dicas a seguir:

    Você não tem objetivos financeiros

    “A razão pela qual a maioria das pessoas não consegue o que querem, é que elas não sabem o que querem”, escreveu o milionário T. Harv Eker em seu livro “Os Segredos da Mente Milionária”.

    Se você quer construir riqueza, você tem que ter um objetivo claro, assim como um plano específico e prazos rígidos. E quando você está estabelecendo metas, não tenha medo de pensar grande. Os ricos querem muito e estão prontos para um desafio.

    Você ainda não começou a investir

    Investir é uma das formas mais simples e eficazes de construir riqueza e quanto mais cedo você começar, mais fácil será atingir sete números. “Em média, os milionários investem 20% de sua renda familiar a cada ano. Sua riqueza não é medida pela quantidade que ganham a cada ano, mas pela forma como economizaram e investiram ao longo do tempo, segundo consultor financeiro Ramit Sethi.

    Se você não sabe como começar a investir, saiba que com cerca de R$ 30 já é possível aplicar em títulos públicos do Tesouro Direto. Claro que há outras opções mais rentáveis, mas esta é uma boa porta de entrada, que oferece um rendimento bem superior ao da poupança.

    Você geralmente fica na zona de conforto

    A pessoa mediana quer estar confortável. Pessoas ricas, por outro lado, são estimuladas pela incerteza. “O conforto físico, psicológico e emocional é o principal objetivo da mentalidade da classe média”, escreve Siebold. Segundo ele, oas pessoas de sucesso aprenderam desde cedo que se tornar um milionário não seria fácil e a necessidade de conforto só atrapalha nesse processo. Os ricos aprendem a se sentir confortáveis mesmo em estado de contínua incerteza.

    Você acha que ser rico é apenas para alguns sortudos

    Se você acha que ficar rico está fora do seu alcance, você provavelmente não vai conquistar sua liberdade financeira. “A verdade é que, em um país capitalista, você tem todo o direito de ser rico se estiver disposto a criar valor maciço para os outros”, explica Siebold. Então, comece a se perguntar: “Por que não eu?” Afinal, é isso que os milionários e bilionários fazem.

    Você prioriza o poupar ao invés do ganhar

    Enquanto as pessoas ricas valorizam a importância de poupar e investir, elas também reconhecem que a chave para ficar rico é se concentrar em ganhar. “As massas estão tão concentradas em viver de promoções e ter um estilo de vida simples, mas perdem grandes oportunidades”, escreve Steve Siebold em seu livro How Rich People Think (Como os ricos pensam).

    “Mesmo no meio de uma crise de fluxo de caixa, os ricos concentram sua energia mental em ganhar dinheiro”, diz. Você não deve ignorar as estratégias inteligentes de economizar dinheiro. Mas se você quiser atingir sete números, “pare de se preocupar com a falta de dinheiro e se concentre em como ganhar mais”, diz Siebold.

    Até mais.

    Geral

    Ainda não aprendemos que congelar preços não funciona?

    29 de maio de 2018

    Livro – Crash!: Uma Breve História da Economia – Da Grécia Antiga ao Século XXI

    Do Egito antigo à Venezuela: ainda não aprendemos que congelar preços não funciona? Congelamento de preços não funciona há 4.000 anos

    Todos devem ter reparado que as crises na Argentina, Venezuela e Brasil dos últimos tempos são uma grande oportunidade para educar as pessoas sobre alguns princípios básicos da economia, pois no século atual não é mais possível acreditar que congelar preços, taxar lucro ou qualquer medida neste sentido que reduza a liberdade econômica possa trazer algum impacto, exceto algo negativo, falta de produtos, por exemplo. Embora o congelamento de preços há pelos menos 4000 anos tenha sido refutado na teoria e na prática, faz décadas que estas medidas ainda são aplicadas, principalmente na América do Sul, aproveitando-se da ignorância e da ilusão das pessoas que acreditam que cabe ao governo trazer prosperidade e resolver todos os problemas delas. O episódio da nossa história bem recente foi o anúncio no dia 27 de maio, do congelamento dos preços do Diesel por 60 dias e a definição de um preço mínimo para fretes. Uma barganha para o encerramento da greve dos caminhoneiros.

    No Egito antigo há milhares de anos, Venezuela ou Brasil atual, congelar preços traz sempre os mesmos resultados: escassez de produtos e caos social. Isto é como diz o ditado:
    “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes”.

    Quando existe um cenário de livre concorrência, respeito às liberdades individuais, além da propriedade privada, vemos que enriquece aquele que melhor serve a sociedade, mas privilégios e protecionismos estatais sabotam o funcionamento do mercado e permitem que empreendedores ineficientes e chupins do sistema prosperem, mesmo sem atenderem de forma adequada os seus consumidores, logo o benefício deixa de ser mutuamente geral e passa a ser de um grupo à custa de outro: corporativismo. Quando o governo determina que os recursos devem ser alocados na economia, interferindo nos preços e criando regulamentações protecionistas, ele está dizendo quais setores serão vencedores e perdedores, fato que mata a livre concorrência, porém o maior perdedor é sempre o contribuinte que paga a conta e ainda fica privado do acesso aos melhores produtos e serviços.

    Em conclusão a tudo isto pode se dizer que a recuperação do Brasil, Equador, Argentina, Venezuela entre outros “hermanos” latino-americanos será sempre uma coisa apenas que é a liberdade do mercado se ajustar às demandas dos consumidores.

    Veja também:

    Dicas de livros – parte 6

    Até mais.

    Filmes

    Ouro e cobiça – filme 2016

    26 de maio de 2018

    Um bom filme sobre commodities, mais em específico, ouro. A trama narra a vida de um homem, desesperado por um golpe de sorte, o qual se une a um geólogo para encontrar ouro nas profundezas da Indonésia.

    Disponível na telinha do seu Netflix.

    ouro e cobiça filme de 2016

    Geral

    Postos que ainda tem combustível

    25 de maio de 2018

    Lugar bem caro

    Favor indicarem os lugares que ainda tem combustível após esta greve oportunista em ano eleitoral em que nada vai melhorar a vida de ninguém, só atrapalhar, pois a conta vai ficar para o povo pagar de todo o jeito!
    A único forma de não pagar é indo embora do país, ou seja, a única saída é o aeroporto, onde ainda tiver avião abastecido…

    TEMPO REAL: Confira os postos da Capital que ainda têm combustível nas bombas

    Jornal Midiamax faz ronda nos postos de combustível
    Wendy Tonhati e Guilherme Cavalcante – 25/05/2018

    TEMPO REAL: Confira os postos da Capital que ainda têm combustível nas bombas

    Veja também:

    Empiricus Research e o Fim do Brasil

    Até mais.

    Livraria

    Dica de livros para quem quer aprender a analisar o mercado de ações

    17 de maio de 2018

    warren-buffett - alguns livros essenciais para entender melhor de análise de ações

    A leitura sempre é recomendado para todas as profissões, pois aprender mais sobre seu campo de atuação sempre ajuda sua carreira a evoluir. Não é diferente para o analista de ações (equity research). Abaixo está elencado alguns livros essenciais para entender melhor o mundo da análise de ações:

    Como se transformar em um investidor e operador de sucesso, de Alexander Elder

    É um livro que trata das estratégias da Análise Técnica, ajudando o leitor a descobrir suas características boas e os pontos a melhorar como operador, antes de arriscar o seu dinheiro nos mercados.

    Faça fortuna com ações, antes que seja tarde, de Décio Bazin

    O livro é uma referência para quem quer saber mais sobre o investimento na Bolsa de Valores. O autor mostra como usar o método “cash-yield” para compor uma carteira de aplicações variáveis.

    – Valuation: como avaliar as empresas e escolher as melhores ações, de Aswath Damodaram

    Livro acadêmico que alia teoria às práticas, mesclando os fundamentos sobre finanças, aos conceitos desenvolvidos e consagrados pelo professor Damodaram, como o próprio termo Valuation.

    Investindo em Ações no Longo Prazo – A Bíblia do Mercado de Ações para o Investidor de Longo Prazo
    Jeremy Siegel

    É um guia do mercado de ações para quem deseja aprender profundamente sobre o tema.

    – Se afastando da manada, de André Moraes

    É um livro que explica como montar estratégias completas para investir no mercado de ações. Contempla todas as fases de negociação de mercado, desde a escolha das ações para operar, tempo gráfico, passando pela análise, até chegar no melhor ponto de saída das operações.

    O Investidor Inteligente, Benjamin Graham

    O livro traz os principais conceitos da análise fundamentalista ensinando a desenvolver estratégias de longo prazo.

    – Análise Técnica Aplicada, de Márcio Noronha

    O livro é como se fosse uma enciclopédia sobre Análise Técnica, é bem explicativo e traz as principais teorias sobre o assunto.

    Até mais.

    Filmes

    Filmes obrigatórios para entender o mercado financeiro

    15 de maio de 2018

    Existem muitas formas de aprender, porém sem sombra de dúvidas uma das mais interessantes é por meio de filmes. Para quem ainda possui dúvidas sobre o mercado financeiro, há certas obras do cinema que podem te auxiliar.

    Segue abaixo uma lista com algumas películas que são obrigatórios para que se possa compreender como funciona o setor financeiro:

    1- Grande demais para quebrar:

    o filme é uma referência de como algumas práticas questionáveis do mercado financeiro, especialmente com questões éticas e de risco do mercado, causam consequências devastadoras.

    2- Walt Antes do Mickey:

    tem importantes insights e inspirações para quem busca empreender e também quem deseja ser “fora da caixa” em suas organizações (intraempreendedores). Não é sobre mercado financeiro, porém traz reflexões interessantes sobre tomadas de decisão!

    3- Wall Street: Poder e Cobiça:

    o filme mostra os bastidores do mundo dos grandes negócios da década de 80. Mostra a história de um ambicioso jovem corretor da bolsa, Buddy Fox (Charlie Sheen), que sonha em conhecer o seu ídolo, Gordon Gekko (Michael Douglas) um milionário ganancioso e frio, que ignora os sentimentos quando se trata de negócios.

    4- A Procura da Felicidade:

    Após perder o emprego e a esposa abandoná-lo sozinho com o filho de 5 anos, Chris Gardner (Will Smith) consegue uma vaga de estágio em uma grande corretora de valores, mas sem receber salário. Após muita perseverança, consegue ser contratado. Mesmo que seja um exemplo atípico, é preciso persistência no mercado financeiro.

    5- O homem que mudou o jogo:

    Conta a história de um gerente de um time de basebol e seu assistente, eles fizeram com que uma equipe desacreditada chegasse mais longe e se tornasse uma dos melhores da liga. O filme não fala diretamente sobre investimentos, mas chama a atenção pelo fato de eles terem começado a utilizar análises estatísticas sobre cada jogador para contratá-los ou demiti-los. Com essa análise eles conseguiram identificar e contratar bons jogadores que estavam subvalorizados. O método criado por eles é usado até hoje!

    6- A grande aposta:

    o filme é inspirado em fatos reais e explicado como alguns investidores conseguiram prever a crise que estava por vir apostando através de derivativos contra ativos relacionados ao mercado imobiliário norte americanos. O que chama a atenção é que esses investidores não tinham nada em comum, não se conheciam, e cada um utilizou seus fundamentos para prever essa crise!

    7- Fome de poder:

    o filme conta da história do McDonald’s e particularmente de Ray Croc, que não é originalmente o criador da marca mas é ele quem fez a empresa chegar aos dias atuais da forma que conhecemos. É muito interessante como sua figura consegue através de seu modelo de gestão criar altíssimo valor para seus acionistas, transformando uma empresa familiar numa multinacional. É curioso notar como ele revolucionou o mercado de fast-food no mundo e que sem ele a companhia não teria sido uma sombra do que é hoje!

    8- Margin call – O dia antes do fim:

    O filme é perfeito para quem quer entender como funcionou a economia americana horas antes do colapso. Baseado no Lehman Brothers, o drama narra o dia anterior à quebra de um dos maiores bancos de investimentos dos EUA. A história acontece com a demissão de boa parte dos funcionários e um deles revela uma fraude na companhia, enquanto alguns outros tentam esconder o problema.

    Lobo de Wall Street - Quem tem dúvidas sobre o mercado financeiro em geral, de processos a termos, algumas obras do cinema podem auxiliá-lo

    9- O lobo de Wall Street:

    Baseado no livro de memórias de Jordan Belfort que enriqueceu às custas de investidores na década de 1990 e ajudou a manchar a imagem de Wall Street ao redor do mundo. Certo que está se falando de fraudes, mas o que vale destacar também é a forma como a empresa cresceu pois se alimentou do apetite dos investidores que buscavam retornos milagrosos e não desconfiaram dos riscos envolvidos. Não quero atribuir a culpa eles mas é fato que sem essa ganância dos investidores a empresa não teria conseguido lesar tantas pessoas. Fica como alerta para aqueles que até hoje buscam promessas de rentabilidade milagrosas!

    Veja também:

    4 personagens de filmes que todo investidor deve conhecer

    Até mais.